outubro, 2022

20outTodo o dia21Ouvir de Olhos AbertosColóquio(Todo o dia) Rua José Dias Coelho, 27-29 — 1300-327 LisboaTipologia do Evento:Colóquio

Imagem ilustrativa do colóquio

Ver mais

Detalhes do Evento

Colóquio que visa contribuir para o mapeamento da investigação sobre as diferentes dimensões da relação entre música e política em Portugal ao longo do século XX. Prazo: 31 Maio 2022

 

Ouvir de Olhos Abertos:
Música e Política em Portugal no Século XX

 

 

Cartaz do colóquio "Ouvir de Olhos Abertos". 20 e 21 de Outubro, na Biblioteca Municipal de Alcântara, LisboaOs estudos focados nos cruzamentos entre prática musical e atividade política têm ocupado, nas últimas décadas, um espaço cada vez mais relevante no panorama académico internacional. A investigação sobre o papel da música enquanto veículo de ideários políticos e enquanto estímulo para a mobilização social, assim como o estudo da actividade político-partidária exercida por músicos e comunidades musicais, têm constituído temas de destaque na produção científica de diversas áreas, sendo a relação entre música e política analisada através de diferentes abordagens em diversos domínios científicos – a história, a musicologia, a etnomusicologia, a sociologia, a antropologia, entre outros.

Em Portugal, ao longo do século XX, a música constituiu uma importante ferramenta de expressão política. Através de diferentes géneros, correntes, estilos e práticas musicais, o papel e o impacto da música na vida social do país pode ser analisado, entre outros aspetos, através dos seus múltiplos usos e significados no âmbito das várias transformações políticas ocorridas durante este período, tais como: a introdução de conteúdos satíricos e de crítica social durante o fim da monarquia e a I República; a sua instrumentalização ideológica e propagandística durante a ascensão e consolidação do Estado Novo; a configuração de formas de resistência e de
contestação contra o regime ditatorial; o caráter interventivo e de compromisso partidário na defesa de valores revolucionários durante e após o processo de transição para a democracia constitucional; o desenvolvimento de novos domínios musicais durante e após a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia; e, mais recentemente, o seu uso por novos movimentos de contestação social a modelos económicos neoliberais, entre outros tópicos.

Reconhecendo a importância do contributo científico neste debate, este colóquio propõe que se aborde a interação entre música e política no contexto português, apelando ao diálogo multidisciplinar e plural, tendo como objetivo contribuir para o mapeamento do estado atual da investigação que incida sobre as diferentes dimensões da relação entre música e política em Portugal ao longo do século XX.

 

 

Chamada para comunicações

 

Áreas temáticas a abordar:

● Música na 1ª República
● Instituições e políticas culturais no Estado Novo
● Música e comemorações oficiais
● Censura e repressão política
● Música e resistência
● Música e política no cinema e no teatro
● Canção de protesto e de intervenção nas décadas de 1960 e 1970
● Práticas musicais no exílio
● Música, colonialismo e movimentos independentistas
● Música e revolução
● Música e atividade partidária
● Música e representatividade de género
● Música tradicional portuguesa – usos e significados políticos
● Dimensão contestatária das práticas do pop-rock em Portugal
● Movimento rap e hip-hop em Portugal
● Música e novos movimentos sociais de contestação

 

Tratando-se de um colóquio interdisciplinar, terá como convidados os seguintes oradores principais:

Robert Adlington: musicólogo, é desde 2017 Queen’s Anniversary Prize Chair em Música Contemporânea na Universidade de Huddersfield (Reino Unido). Os seus interesses de investigação e as suas publicações têm-se focado nas relações entre música e democracia, música e comunismo e música e movimentos sociais e políticos.

Anthony Seeger: antropólogo e etnomusicólogo, é Professor Emérito no departamento de Etnomusicologia da Universidade da Califórnia, Los Angeles (EUA). É autor de um vasto número de publicações sobre assuntos relacionados com direitos humanos indígenas, arquivística, música tradicional e música folk norte-americana.

 

As propostas de comunicação deverão ser enviadas em ficheiro Word para o endereço de email muspolptxx@gmail.com, até 31 de Maio de 2022, com os seguintes elementos:

– Título da comunicação
– Resumo até 3000 caracteres (incluindo espaços)
– Biografia abreviada até 1500 caracteres (incluindo espaços)
A comunicação da aceitação de propostas será feita individualmente por email até ao final de Junho.

Para mais informações, contactar muspolptxx@gmail.com.

 

>> Descarregar a chamada para comunicações (PDF) <<

 

 

Comissão Científica

 

João Madeira (IHC — NOVA FCSH / IN2PAST)
José Neves (IHC — NOVA FCSH / IN2PAST)
Luís Trindade (CEIS20 — Universidade de Coimbra)
Manuel Deniz Silva (INET-md — NOVA FCSH)
Mário Vieira de Carvalho (CESEM — NOVA FCSH)
Paula Godinho (IHC — NOVA FCSH / IN2PAST)
Salwa Castelo-Branco (INET-md — NOVA FCSH)
Susana Martins (IHC — NOVA FCSH / IN2PAST)

 

Comissão organizadora

 

Hugo Castro (INET-md / NOVA FCSH)
João Madeira (IHC — NOVA FCSH / IN2PAST)
Manuel Deniz Silva (INET-md / NOVA FCSH)
Ricardo Andrade (INET-md / NOVA FCSH)

 

Tempo

outubro 20 (Quinta-feira) - 21 (Sexta-feira)

Localização

Biblioteca de Alcântara

Rua José Dias Coelho, 27-29 — 1300-327 Lisboa

Organizador

Instituto de História Contemporânea da Universidade NOVA de Lisboa e Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança

X