Pós-doutoramentos em Curso // Partidos Comunistas em Portugal, Itália e França: uma análise comparativa das elites políticas dirigentes

  • Investigador: Giulia Strippoli
  • Data de início: Março de 2013
  • Financiamento: Fundação para a Ciência e a Tecnologia
Resumo:

Este projecto centra-se no estudo das biografias políticas das elites dirigentes dos partidos comunistas português, italiano e francês. O PCP, o PCI e o PCF foram, durante décadas na segunda metade do século XX, os principais partidos da oposição aos governos do Portugal (ditadura), da Itália e da França (democracia).

Neste projecto pretende-se pesquisar a história dos três partidos por meio da investigação dos percursos biográficos dos dirigentes e dos militantes do PCP, do PCI e do PCF. O estudo da biografia política daqueles que dirigiram os partidos, dos funcionários ou militantes (dos que ficaram e dos que foram expulsos), dos jovens que escolheram os partidos comunistas como organismos de luta e representatividade, é central para compreender a vida e a evolução do PCP, do PCI e do PCF, mas também das sociedades onde estes agiam.  

A reconstrução das biografias dos comunistas tem a máxima importância para o estudo da participação política, do nível de responsabilidade dos dirigentes, e dos programas políticos destas organizações. O estudo irá responder a perguntas centrais como: a direcção dos partidos foi ocupada sobretudo pelos intelectuais ou não? Qual o peso dos anos de funcionalismo partidário entre os dirigentes e de que forma isso explica ou não a burocratização dos partidos? Quais foram os canais e as modalidades do recrutamento através dos quais os jovens aderiram aos partidos? Qual era a relação social entre a composição da direcção e a composição da base dos partidos? Quais eram os organismos da juventude comunista e quais foram os eventos fundamentais da vida dessas uniões de estudantes comunistas? Esta análise de três diferentes elites políticas vai dar particular atenção aos mecanismos da decisão política: quem tomava as decisões no essencial? Qual era a consideração da vontade e das aspirações da base dos partidos? Havia circulação das ideais da direcção para a base e vice-versa?