Linhas Investigação // Humanidades Digitais e Investigação Histórica

  • Coordenação:
    Daniel Ribeiro Alves
  • Apresentação:
    A aplicação de metodologias digitais à investigação, ao ensino e divulgação da História e das Humanidades em geral tem crescido nas últimas décadas, quer no impacto conseguido no âmbito dessas áreas científicas, quer na abrangência dos investigadores que recorrem a metodologias ou a dados digitais para realizar os seus trabalhos e disseminar os seus resultados. No âmbito das actividades desenvolvidas pelo IHC, a década de 1990 representou um momento de crescimento, com interesse pela exploração do potencial das bases de dados relacionais e dos sistemas de informação geográfica. Foi então possível reunir investigadores para dar corpo a um campo de pesquisa e desenvolvimento inovador em termos europeus e mundiais. Acompanhando a expansão das Digital Humanities (DH), a actividade do grupo expandiu-se e diversificou-se em termos temáticos, construindo pontes para a Geografia, a Sociologia, a Literatura ou a Linguística, e incorporando metodologias que cobrem um amplo espectro. Além das bases de dados e dos SIG, avançou-se para a exploração da Web e das suas vertentes sociais (Web 2.0, 4.0, mash-ups), data-mining e análise de texto, linguística computacional, gestão de informação bibliográfica, técnicas de visualização de dados ou o crowdsourcing. De par foi dada uma particular atenção à ligação com o ensino, tendo sido criada uma unidade curricular obrigatória na Licenciatura de História (desde 2002), e sido oferecidas formações específicas para docentes e investigadores de várias unidades de investigação e de cursos na FCSH ou noutras instituições externas à UNL. Acompanhando as tendências mundiais e europeias desenvolveu-se a colaboração em projectos de digitalização e disponibilização online de fontes relevantes para a contemporaneidade, bem como a criação de arquivos e bases de dados digitais, como são exemplos os projectos “Atlas, Cartografia Histórica” (http://atlas.fcsh.unl.pt/), “Memórias Paroquiais de 1755” (http://www.fcsh.unl.pt/memorias/) e “Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental” (http://paisagensliterarias.ielt.org/). A evolução traçada remete a linha temática para o objectivo geral de desenvolver um trabalho académico inovador em História, com um enquadramento na área mais vasta das Humanidades, que tire o máximo proveito das actuais e futuras infra-estruturas digitais de investigação, que estabeleça conexões a outras áreas de conhecimento, que procure novas abordagens e novas respostas às questões que serão colocadas ao investigador pela dinâmica do mundo digital. Pretende-se ainda que seja um suporte à investigação, contribuindo para a transversalidade temática e metodológica, bem como para potenciar redes com outros centros de investigação portugueses e estrangeiros.
  • Objectivos:

    O principal objectivo da linha é desenvolver uma estratégia integrada de investigação em Humanidades com uma forte base digital. Terá uma significativa componente de transversalidade e de interdisciplinaridade, centrando a sua investigação na área da História Contemporânea, sem ignorar ligações a outras épocas e reforçando a colaboração entre todas as disciplinas das Humanidades.

    Serão desenvolvidas e exploradas temáticas que envolvam (1) análises de longa duração (por exemplo: os estudos sobre a população ou sobre a interacção entre a literatura, a geografia e a história, do século XIX ao tempo presente), (2) o manuseamento de grandes volumes de dados, qualitativos e quantitativos (por exemplo: os estudos sobre as cidades que impliquem a recolha de dados sistemáticos e minuciosos para a caracterização e comparação das realidades urbanas passadas; as prosopografias de grupos socioprofissionais ligados ao comércio e serviços; as análises sobre o discurso politico feitas com recurso a grandes bases de dados textuais e através da exploração massiva de publicações periódicas digitalizadas), (3) a visualização de dados complexos (por exemplo: a evolução histórica e espacial das redes de telecomunicações e transportes ou a análise da influência dos factores geográficos nos padrões de distribuição do povoamento ao longo do tempo).

    Será objectivo relevante aproveitar o potencial aberto pela crescente disponibilização digital de grandes volumes de informação textual (Europeana - http://www.europeana.eu/, DPLA - http://dp.la/, Google Books - http://books.google.com/, Internet Archive - http://archive.org/, Project Gutenberg - http://www.gutenberg.org/, Biblioteca Nacional Digital - http://purl.pt/, Corpus do Português Online - http://www.corpusdoportugues.org/, Debates Parlamentares - http://debates.parlamento.pt/, entre outras) aplicando metodologias que genericamente têm vindo a ser caracterizadas como “distant reading” em várias áreas de investigação, como a História, a Literatura ou a Geografia. Conjugada com os tradicionais métodos das Humanidades, esta perspectiva permitirá à linha temática incorporar novas questões e problemáticas no conhecimento sobre a História Contemporânea, antes mais árduas de desenvolver devido à dificuldade de acesso às fontes primárias, à escassez de informação e às naturais restrições de tempo associadas aos lentos processos de investigação em Humanidades.

    Pretende-se ainda o tratamento/análise dos dados através de métodos quantitativos, padronizados e facilmente comparáveis. Será também desenvolvida a teorização necessária sobre as implicações para a investigação em Humanidades dos avanços digitais, da incorporação desses avanços nos métodos de trabalho e disseminação de resultados por parte dos investigadores, em particular sobre as políticas de Open Access e aparecimento de novas formas e linguagens narrativas/estéticas. Estas perspectivas permitirão estimular as trocas metodológicas com as Ciências Sociais, a Computação e outras áreas do saber, no sentido de explorar abordagens inovadoras, inter e transdisciplinares às várias temáticas apontadas.

    Manter-se-á o apoio ao desenvolvimento e à integração de ferramentas e métodos digitais na investigação realizada pelos vários grupos e investigadores do IHC, seja através de acções de formação específicas, de consultadoria especializada ou, principalmente, da planificação e desenvolvimento de projectos de investigação ligados às grandes temáticas atrás enunciadas.

    Continuará a captação, orientação e co-orientação de estudantes de mestrado e doutoramento, bem como a aposta na formação em Digital Humanities nos vários ciclos de ensino, por forma a permitir uma constante ampliação e renovação de recursos humanos.
  • Parcerias:
    Através de vários investigadores do IHC, a linha está formalmente associada a redes internacionais ligadas à área das Humanidades Digitais, como a NeDiMAH (financiada pela ESF) e a CenterNET. Mantém ainda relações de colaboração com o Departamento de Digital Humanities do King’s College (Reino Unido), com o “Grupo de Pesquisas - Humanidades Digitais” da Universidade de São Paulo (Brasil) e com o “The Polis Center” da Universidade de Indianapolis (EUA).
  • Principais Actividades:

    Actividades

    A cada dois anos a linha realiza um seminário/workshop internacional, de média dimensão, em Lisboa, como já aconteceu em 2011 (http://goo.gl/5Gcv12) e em 2013 (http://goo.gl/ygoqDL), para divulgação dos resultados da investigação e para estimular o contacto com investigadores de outras áreas, unidades e países. Os resultados do primeiro workshop foram publicados na revista International Journal of Humanities and Arts Computing, volume 8(1) de 2014 (http://www.euppublishing.com/toc/ijhac/8/1).

    Está prevista para Outubro de 2015 a realização de um primeiro Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, organizado em conjunto com duas outras universidades nacionais.

    Ainda no decorrer de 2014 a linha temática está formalmente associada à organização do encontro “Idade Média Digital”, em parceria com o Instituto de Estudos Medievais, a realizar no dia 26 de Setembro.

    Foi recentemente assinada uma carta de intenções para potenciar a colaboração com uma equipa de investigação do CHAIA da Universidade de Évora para um projecto de georreferenciação e reconstrução 3D da cidade de Lisboa no tempo do Terramoto de 1755. Está a decorrer igualmente uma colaboração com o Centro de Linguística da Universidade de Lisboa para a elaboração de uma ferramenta digital de pesquisa e análise aos debates parlamentares portugueses, integrando a colaboração de um aluno de mestrado. Continua a investigação para o projecto “Lisboa em (R)evolução” (http://atlas.fcsh.unl.pt/omeka/) realizado com tecnologias em acesso aberto para georreferenciação e publicação online.

    A linha de investigação tem actualmente um canal de divulgação das suas actividades e da investigação desenvolvida, bem como de discussão teórica sobre a intersecção entre humanidades digitais e a investigação histórica, através do blogue “Digital Humanities and History” (http://dhhistory.hypotheses.org/) inserido na Hypotheses, uma plataforma de publicação de blogues académicos.