Congressos e Colóquios // A Revolução de Outubro - III Congresso Internacional Karl Marx

2017-11-02 Congresso-Karl-Marx small

Organização: Instituto de História Contemporânea - FCSH/NOVA
Local: Lisboa
Datas: 2 a 4 de Novembro de 2017

Apresentação:

A Revolução de Outubro de 1917 foi um dos acontecimentos históricos mais relevantes da época contemporânea. A sua importância pode ser compreendida, por um lado, na sequência de outras revoluções – desde logo, a Revolução Francesa de 1789 – e da emergência do movimento operário no século XIX. Por outro, 1917 foi também um momento inaugural do século XX, antecedendo eventos como a Revolução Chinesa ou a viragem pós-colonial. No centésimo aniversário da Revolução de Outubro, o Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa e os centros de investigação que a ele se juntam para o efeito realizam um congresso internacional dedicado ao estudo e debate da Revolução de Outubro e suas implicações. O evento terá lugar em Lisboa nos dias 2, 3 e 4 de novembro de 2017. Aceitam-se propostas de comunicação em torno de nove eixos temáticos:

A Revolução do Quotidiano. Aceitam-se propostas que, cobrindo o período entre Outubro de 1917 e os anos imediatamente posteriores, contextualizem linhas de mudança e continuidade na vida quotidiana da população, tanto a nível do espaço público como na esfera privada. Privilegiando-se comunicações que tenham por base pesquisa empírica, convida-se à abordagem de temas como as sociabilidades familiares, a sexualidade, as práticas de consumo e de convívio, a vida urbana ou, ainda, a religiosidade.

A Revolução Cultural. Aceitam-se propostas que analisem as transformações materiais, as estruturas de sensibilidade e os conflitos teóricos nos domínios da cultura, em particular nos anos da revolução e durante a década de 1920. Entende-se por cultura um vasto campo de fenómenos que vão da criação artística às políticas culturais e ao poder simbólico, incluindo assim os debates em torno da questão forma/conteúdo e das relações entre estética e política, as discussões relativas ao proletkult e à educação e, por fim, o estatuto da ciência e da tecnologia.

Novos Tipos de Poder. Aceitam-se propostas que reflitam sobre a Revolução Soviética enquanto um momento de crise, crítica e renovação de diferentes formas de governo e poder das populações e das pessoas, da emergência dos sovietes à construção de um Estado socialista; da criação de um novo tipo de partido ao horizonte do comunismo enquanto abolição do Estado; da defesa da ditadura do proletariado às críticas ao centralismo democrático, passando pelas mudanças e continuidades entre as lideranças de Lenin e Stalin.

Políticas da Economia. Aceitam-se propostas que, incidindo sobre o período que vai de Outubro à implementação do primeiro plano quinquenal (1928-1932), analisem a história das políticas bolcheviques no domínio económico e as estratégias políticas a ela associadas, das transformações preconizadas no domínio da propriedade e da produção à questão do consumo e da comercialização, focando-se assim a história da economia de guerra, da NEP e da questão agrária dos kolkhozes aos sovkhozes.

A Revolução Mundial. Aceitam-se propostas de comunicação que inscrevam a história da Revolução de Outubro no quadro da história mundial dos processos revolucionários que marcaram o território europeu no contexto da Primeira Guerra Mundial e do pós-guerra, da Revolução Alemã ao Biennio Rosso, passando pela Revolução Húngara. Convida-se igualmente a apresentação de comunicações em torno da recepção e impacto da Revolução de Outubro no movimento operário e nos movimentos políticos e sociais por todo o mundo.

A Revolução Russa. Aceitam-se propostas que insiram a Revolução de Outubro no quadro da História da Rússia no período entre a Revolução de 1905, momento em que são criados os primeiros sovietes, e os Processos de Moscovo (1936-1939), quando a oposição interna a Stalin é definitivamente eliminada. Privilegiam-se comunicações que tenham por base pesquisa em torno de questões como a crise do czarismo, a entrada na Primeira Guerra Mundial, a Revolução de Fevereiro, a Guerra Civil e os debates políticos no interior do Partido Bolchevique.

A Questão das Nacionalidades. Aceitam-se propostas que incidam sobre o modo como a questão nacional foi formulada e respondida ao longo do período que vai desde 1913, ano em que Stalin escreveu a brochura A questão nacional e o marxismo, até à Revolução Chinesa (1949), a qual marca não apenas uma nova inflexão oriental na história das revoluções como acentua a importância do anti-imperialismo e do anticolonialismo na história do comunismo. Convida-se, em particular, à apresentação de comunicações em torno das questões das nacionalidades, da autodeterminação, do anticolonialismo, do pacifismo, do internacionalismo proletário e do anti-imperialismo.

Teorizando a Revolução. Aceitam-se propostas que procurem analisar a conceptualização e teorização das revoluções a nível da ideologia e do pensamento político, com particular atenção ao lugar ocupado pela Revolução de Outubro na história dos marxismos, seja em relação com desenvolvimentos prévios, como por exemplo a teorização da revolução no jovem Marx ou a ideia de revolução permanente em Leon Trotsky, seja por relação com desenvolvimentos posteriores, como a reflexão de Gramsci sobre a revolução a Ocidente.

Outubro de 1917 e as suas vidas posteriores. Aceitam-se propostas que analisem as representações de que a Revolução de Outubro foi objecto de 1917 à actualidade. Entre tais representações contam-se materiais tão diversos como reportagens de cunho jornalístico, trabalhos cinematográficos e obras historiográficas, incluindo entre estas últimas trabalhos de natureza científica e ideológica muito diversa, de exercícios de comparativismo revolucionário às polémicas em torno da problemática do totalitarismo.

 


Conferencistas convidados: Alberto Toscano (Goldsmiths College, University of London) e Yuri Slezkine (University of California - Berkeley)

 

Comissão Científica: Alfredo Caldeira, António Pedro Pita, Boaventura de Sousa Santos, Fernando Rosas, Francisco Bairrão Ruivo, Francisco Louçã, Giulia Stripoli, João Madeira, José Pacheco Pereira, José Neves, Luís Farinha, Luís Trindade, Manuel Deniz Silva, Manuel Loff, Mário Machaqueiro, Mário Vieira de Carvalho, Miguel Cardina, Miriam Halpern Pereira, Paula Godinho, Ricardo Noronha, Steven Forti.



Ir à página oficial do congresso >>