Redes

Constituído em 17 de Dezembro de 2003, por 17 unidades de investigação da área de Ciências Sociais e Humanas que obtiveram classificação de “Muito Bom” ou “Excelente” nas avaliações internacionais promovidas pela FCT.

Rede formada com a Universidade de Las Palmas, a Central European University (Budapeste), a Fundação Guglielmo Marconi (Bolonha), a Universidade de Bolonha e a Universidade Roma de La Sapienza. O projecto estuda a rede de telecomunicações portuguesa entre os anos de 1850 e o final do século XX no quadro global e em perspectiva comparada com os países da Europa do Sul.

Rede de estudos e debate de temas históricos, privilegiando a perspectiva de análise comparativa entre os países da Europa do Sul considerando o contexto internacional, em que participam o Instituto de História Contemporânea (FCSH-UNL), o Departamento deHistoria Contemporánea e de America della da Facultade de Xeografía da Universidade de Santiago de Compostela e o Dipartimento di Discipline storiche da Universidade de Bolonha.

O HetSci | Grupo de Estudos em História e Ciência, surge do encontro entre investigadores ligados à História da Ciência, com origem em duas Unidades de Investigação avaliadas e financiadas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT): o Instituto de História Contemporânea, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa, e o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, da Universidade de Évora. O HetSci tem como objectivo promover e desenvolver a investigação em História da Ciência em Portugal, no período compreendido entre os séculos XVIII e XX.

História da Nova é uma rede de investigação que agrupa as unidades de investigação dedicadas às áreas científicas da História, História da Arte e Arqueologia da Universidade Nova de Lisboa.
Since the end of the 19th century Africa stood out as an agent in the globalization process; acting both as an element of direct action, particularly through the exploitation of its natural resources in the widest sense possible, but also through the unique features of its political situation as regards international relations. During the “Belle Époque” the network of transactions of goods and people had spread considerably, bringing remote and peripheral places, like the African territories, closer to the centre of the world-economy.In 1914 when the First World War started all major European powers, with the exception of the Habsburg Empire, ruled over territories outside Europe. Although most of the clashes have occurred on European soil, the involvement of the African continent played an essential role within the Great War, which was a fundamental expression of the globalization of the conflict: for over four years Africa provided human and material resources on an unprecedented scale to the Western Front. From the “black continent” standpoint, it is worth to note, how the First World War contrasted in terms of objectives, impact, scale and duration with the many conflicts that erupted throughout the nineteenth century, conducted mainly against native populations, and motivated by local and limited objectives.
The first World War represented a defining moment, introducing a profound break in the course of European and global contemporary history, whose rupturing and long-lasting effects significantly involved, marked and influenced the population and the history of all European empires in Africa. Yet, this particular front continues to be one of the less studied aspects of the Great War.
Collaborative research and interdisciplinary exchange among members will be encouraged. 
Do I Congresso de História do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal surgiu a ideia de criar a Rede de Estudos do Trabalho, do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal. Esta rede visa recuperar, fomentar e divulgar os estudos sobre o trabalho, categoria central de análise na compreensão das sociedades humanas, do movimento operário e dos movimentos sociais e dos conflitos sociais do Portugal Contemporâneo (séculos XIX e XX).
Em 2012 o Instituto de História Contemporânea lançou a Rede de História Contemporânea,
plataforma de partilha, colaboração e diálogo permanente, que envolve todos os centros de
investigação portugueses no domínio da história contemporânea e lançou uma plataforma web
(http://histcontemp.pt/pt/), interface privilegiado que dá conta das actividades desenvolvidas, de
forma individual ou conjunta, pelos membros do consórcio. Nos dias 18 e 19 de Maio a Rede
de História Contemporânea realizou, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, o I
Congresso de História Contemporânea (http://congresso.histcontemp.pt ), iniciativa que contou
com a participação de cerca de duas centenas de investigadores e cuja conferência inaugural
foi proferida por Eduardo Lourenço. O II Congresso de História Contemporânea realizar-se-á
em Maio de 2013 na Universidade de Évora.
Rede constituída em Abril de 2006 na sequência da iniciativa do Instituto de História Contemporânea da FCSH-UNL em promover o encontro das unidades de investigação, que no âmbito das suas actividades e das dos respectivos investigadores têm trabalhado na área da história da I República, na preparação de um programa comum de comemorações do centenário da I República que reflicta a actividade científica desenvolvida.
A Rede Indústria, História, Património, constituída em Novembro de 2012 a partir da iniciativa do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra, do Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) e do Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM) da Universidade do Porto, reúne unidades de investigação e outras entidades e investigadores interessados nos domínios genericamente sintetizados sob a designação Indústria, História, Património.
Rede constituída com a Central European University e as Universidades de Budapeste, de Berlim, de Bolonha e a Federal do Rio de Janeiro.
Criada por despacho do Reitor da UNL de 25 de Julho de 2003, a RICI, coordenada pelo professor Fernando Gil, tem promovido várias reuniões em que o IHC tem sido representado