« Julho 2015 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
 
O Trabalho Forçado na Europa Durante a Segunda Guerra Mundial
Lisboa
Centro Cultural de Belém e Goethe-Institut
Conferência e Exposição
17 e 18 de Novembro de 2017

Uma conferência e exposição que são o culminar do projecto de investigação "Trabalhadores forçados portugueses no Terceiro Reich", coordenado por Fernando Rosas.

O Trabalho Forçado na Europa Durante a Segunda Guerra Mundial

Conferência Internacional

 

Durante a II Guerra Mundial, a Alemanha estabeleceu um brutal sistema de trabalho forçado que ajudou a suportar a sua economia guerra. Ao longo de quase seis anos, o regime nacional-socialista foi responsável pela deportação de milhões de civis dos países ocupados, os quais, a par dos prisioneiros de guerra e dos prisioneiros dos campos de concentração, foram utilizados como mão-de-obra escrava. Do Cabo Norte, na Noruega, ao deserto do Sahara, da Bretanha Francesa à União Soviética, mais de 20 milhões de pessoas foram compelidas a contribuir para o esforço de guerra nazi. Homens, mulheres e crianças trabalharam em todos os sectores da economia: na agricultura, em minas, na silvicultura, em fábricas de armamento e na edificação ou reparação de infraestruturas danificadas, nos serviços municipais, mas também em lojas e pequenas oficinas ou em tarefas domésticas.

O trabalho forçado foi um fenómeno omnipresente na Europa durante o conflito, mas sem a grandiosidade das batalhas, nem a dimensão e o horror da barbárie ocorrida nos campos de extermínio. Esta temática esteve ausente da memória europeia durante décadas e não mereceu especial atenção por parte dos investigadores. Só nas últimas décadas é que os historiadores começaram a analisar este complexo fenómeno, a contabilizar, a dar nome a estas vítimas e a reconstruir as suas vidas. Talvez por isso, nada se sabia sobre as centenas de trabalhadores forçados portugueses do III Reich, actores involuntários desta página negra da História Europeia.

Esta conferência internacional, na qual serão publicamente apresentados os resultados do projecto de investigação conduzido por um grupo de investigadores do Instituto de História Contemporânea e financiado pela fundação alemã «Memória, Responsabilidade e Futuro». O encontro reúne os mais destacados especialistas internacionais que se debruçaram sobre a temática do trabalho forçado sob a égide do Nacional-Socialismo, focando a dimensão transnacional e comparada deste fenómeno.

 

Haverá tradução simultânea.

A entrada é livre.

 

PROGRAMA COMPLETO

 

PROGRAMA RESUMIDO:

 

17 de Novembro – Centro Cultural de Belém

 

18:00 - Sessão de abertura da exposição
19:00 - Inauguração da Exposição «Trabalhadores Forçados Portugueses no III Reich» [patente até ao final do ano]

 

18 de Novembro – Goethe-Institut

 

9:00 - Conferência Inaugural:
Ulrich Herbert (Albert-Ludwigs-Universität, Alemanha), "Zwangsarbeit in der deutschen Kriegswirtschaft 1939-1945. Ein Überblick"

10:00 - Dieter Pohl (Universität Klagenfurt, Áustria), "Forced Labour under German Rule in Eastern Europe"
Béla Rásky (Wiener Wiesenthal Institut für Holocaust-Studien, Áustria), "Zwangsarbeit im Wien (1939-1945)"
Martin Bock (Stiftung EVZ, Alemanha), "Aufgabe und Wirken der Stiftung „Erinnerung, Verantwortung, Zukunft“"
Brunello Mantelli (Università di Torino, Itália), "Im Dreieck Politik, Wirtschaft, Rassengedanke: die organisierte Auswanderung italienischer Arbeitskräfte in Deutschland, 1938-1945"

11:00 - Debate
11.30 - Intervalo para café

11.50 - Raphaël Spina (investigador independente), "De gré ou de force : les étrangers de France travaillant pour le Reich (1940-1945). Entre xénophobies, consentements et refus"
Peter Gaida (Universität Bremen, Alemanha), "Le travail forcé des Ibériques en France durant la Seconde guerre mondiale"
Thomas Fontaine, "Déporter. Politiques de déportation et répression en France occupée (1940-1944)"

13:00 - Debate
13:30 - Almoço

14.30 - Marició Janué Miret (Universitat Pompeu Fabra, Espanha), "Neither ‘forced’ nor ‘volunteer’ but ‘induced’: the Spanish workers who went to Nazi Germany"
Antonio Muñoz-Sánchez (ICS - Universidade de Lisboa, Portugal), "Trabalhadores Forçados Espanhóis na Alemanha e França durante a Segunda Guerra Mundial"

15.30 - Debate
15.50 - Intervalo para café

16.10 - Fernando Rosas (coord.), Ansgar Schaefer, Antonio Muñoz-Sanchéz, António Carvalho, Cláudia Ninhos, Cristina Clímaco (Instituto de História Contemporânea, Universidade NOVA de Lisboa, Portugal), "Portugiesische Zwangsarbeiter im Dritten Reich"

16.40 - Debate
17:00 - Intervalo para café

17.20 - Performance “O Ódio é uma falta de imaginação. Uma colagem literária - um testemunho encorajador” – “Haß ist ein Mangel an Fantasie. Eine literarische Collage – Ein Mut machendes Zeugnis”
Com textos de: Alice Herz-Sommer, Georg Kafka, Paul Aron Sandfort, Leo Strauss, Viktor Ullmann, Ilse Weber
Concepção e introdução de: Michael Lahr
Leitura de: Gregorij H. von Leitis (Lahr von Leitis Academy & Archive)
Com a presença de Jolana Blau, sobrevivente do campo de concentração de Theresienstadt.

 

Organização:

 

Fernando Rosas (IHC - NOVA FCSH)
Ansgar Schafer (IHC - NOVA FCSH)
Antonio Muñoz Sánchez (ICS - Universidade de Lisboa)
António Carvalho (Museu Nacional de Arqueologia)
Cláudia Ninhos (CHAM - NOVA FCSH)
Cristina Clímaco (Université Paris 8)

 

Iniciativa financiada por:

Stiftung Erinnerung-Verantwortung-Zukunft
Goethe Institut Lissabon
Deutsche Botschaft Lissabon
Österreichische Botschaft Lissabon

 

Imagem: Stadtarchiv Nürnberg