« Dezembro 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
 
Ditadura e democracia
Lisboa
São Luiz Teatro Municipal | Sala Bernardo Sassetti
Conferência Internacional
28 e 29 de Outubro de 2017

No âmbito do Lisboa, Capital Ibero-americana de Cultura 2017, o IHC apoia esta iniciativa do Museu do Aljube, organizada por Luís Farinha e Helena Pinto Janeiro.

Ditadura e democracia — Transições e políticas da memória no espaço ibero-americano

Conferência internacional

 

História e Memória são duas dimensões conexas da construção do passado – uma como ’construção científica‘ e outra como elaboração colectiva e laboriosa da representação do passado-presente, útil na condução política do tempo que corre, na edificação identitária da comunidade, na socialização dos seus valores fundamentais e na projecção imaginária do presente-futuro.

No séc. XX, e em parte do actual, a Europa e todo o espaço ibero-americano viveram uma vertiginosa ’descida aos infernos‘, marcada por guerras mundiais e por sucessivos golpes militares e revoluções de que resultaram regimes ditatoriais, transições democráticas e um sem número de situações semi-democráticas e de corrosão do Estado de Direito, que estão longe de sossegar o humanismo defensor dos direitos humanos e da paz.

Hoje sabemos que o conhecimento histórico e a rememoração da contemporaneidade e do ’tempo presente‘ são terrenos de disputa e de construção instrumental do futuro que queremos. É com a inteligência histórica – que a História perscruta e a memória colectiva sedimenta –, que somos levados a imaginar o futuro e a viver as hesitações do presente.

Conscientes desta realidade, grupos promotores da memória, cidadãos e governos têm valorizado, de formas diversas, as ’heranças difíceis‘ e traumáticas das ditaduras, tanto na Europa como em toda a América Latina, com o objectivo evidente de prevenir os erros do passado e de edificar ’escolas de cidadania‘ e de defesa dos direitos humanos.

Esta Conferência Internacional toma a realidade descrita como ponto de partida e o diálogo ibero-americano como um forte contributo para a edificação de um espaço comum de solidariedade e de preservação dos direitos humanos e da paz.

 

 

Painéis:

Políticas Públicas da Memória

História, Memória e Cidadania

Museus e Sítios da Memória – Que Lugar na Comunidade?

(Re)Construir a Memória – Artes, Ciências Sociais (E Senso Comum?)

 

Oradores/as:

Jordi Guixé, Observatorio Europeo de Memorias (EUROM)

Gonzalo de Cesare, OSCE, Skopje

Alfredo Caldeira, Fundação Mário Soares

Enzo Traverso, Cornell University

Fernando Rosas, IHC - NOVA FCSH

Norberto Cunha, Universidade do Minho & Museu Bernardino Machado

Jô Gondar, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Manuel Loff, Faculdade de Letras da Universidade do Porto & IHC - NOVA FCSH

Adriana Valderrama, Casa de la Memoria (Medellin)

Francisco Estévez Valencia, Museo de la Memoria y los Derechos Humanos (Santiago)

Nora Hochbaum, Parque de la Memoria (Buenos Aires)

Luís Farinha, Museu do Aljube – Resistência e Liberdade & IHC - NOVA FCSH

Helena Pinto Janeiro, Museu do Aljube – Resistência e Liberdade & IHC - NOVA FCSH

Miguel Cardina, CES – Universidade de Coimbra

Paula Godinho, IHC - NOVA FCSH

Paulo Lara, Associação Tchiweka de Documentação

Maria Alice Samara, IHC - NOVA FCSH

 

Durante a conferência, será ainda lançado o livro "O caso da PIDE/DGS. Foram julgados os principais agentes da ditadura portuguesa?", da autoria de Irene Flunser Pimentel (IHC - NOVA FCSH)


PROGRAMA DETALHADO