« Agosto 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
 
Seminário "Preservar Memórias, Difundir Arquivos"
Lisboa
Torre do Tombo
Seminário
22 de Junho de 2017
16h00

Nono seminário do ciclo "Arquivos & História - Estado(s) da(s) Arte(s)", organizado em parceria pelo IEM, CHAM, IHC e DGLAB.

Resumo:

Os Arquivos são locais de memórias, essenciais ao conhecimento e compreensão de um país, que se configuram em documentos de diferentes formatos, suportes e códigos, produzidos ao longo do tempo por diferentes técnicas e tecnologias, os quais o homem teve sempre a noção de que necessitava de preservar para garantir direitos, deveres ou apenas recordar, porque “recordar não é só viver, é viver bem” (Paulo Bertolucci).

A preservação da memória é assim, um dos corolários da gestão de arquivos, e que devido à grande produção documental, de alguma forma descontrolada, das últimas décadas, exige processos de avaliação, selecção e eliminação rigorosos que permitam identificar quais os conteúdos relevantes a descrever e preservar.

A preservação por sua vez exige às instituições grandes esforços, contando com a diversidade e complexidade de equipamentos necessários às diferentes áreas, recursos humanos especializados e actualizados para além de políticas de gestão que permitam a preservação de diferentes conteúdos, quer analógicos, quer digitais, a longo prazo.

Outro dos corolários dos Arquivos é a difusão, pois na era da globalização e imprescindível a afirmação da identidade de um povo. Difundir o património arquivístico, arquivo a arquivo, contribuindo para uma rede integradora e global, é a melhor forma de enriquecimento de um país e de acentuar a sua diferença, dando assim, o seu contributo democrático para uma História globalizante.

 

 

Intervenções de:

Inês Correia (DGLAB/ANTT)
— Anabela Ribeiro (DGLAB/ANTT)
— Luís Pereira (conservador restaurador)

 

Moderação de Maria de Lurdes Rosa (IEM-FCSH/NOVA)

 

O objectivo do ciclo de seminários é proporcionar o conhecimento mútuo da investigação em História e em Arquivística, bem como do trabalho de índole mais prática realizado neste último campo, sob a égide da Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), nas funções que lhe cabem de órgão regulador da política arquivística nacional. Da parte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/NOVA) e dos seus centros de investigação co-organizadores, reveste especial importância o envolvimento directo dos doutorandos na área de Arquivística Histórica do Doutoramento em História, que no ciclo encontram oportunidade de apresentar e colocar a debate público os seus trabalhos de graduação.

O itinerário do ciclo é a um tempo problematizante e tipológico, com sessões em que as apresentações de investigações concretas incidem predominantemente em questões teóricas e metodológicas. Contou-se com a presença de outras instituições que não as organizadoras, nos casos em que a tradição e qualidade de trabalho das mesmas na área o sugerisse. Num próximo ciclo, há a intenção de alargar ainda mais o universo de participantes.

Espera-se, com esta primeira realização do ciclo, no ano de 2016/2017, conseguir dar novo passo em frente na concretização da ideia que se tomou como égide da iniciativa - aprofundar uma relação, entre historiadores e arquivistas, e incorporar os ganhos entretanto acumulados por cada um dos campos disciplinares.

 

Organização:

Instituto de Estudos Medievais (IEM)
Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar (CHAM)
Instituto de História Contemporânea (IHC)
Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB)

 

Organizadores:

Maria de Lurdes Rosa (IEM-FCSH/NOVA)
Maria João Andrade e Sousa (CHAM-FCSH/NOVA, UAç)
Paulo Jorge Fernandes (IHC-FCSH/NOVA)