História e Memória:
Memórias Colectivas, História do Tempo Presente e História Oral

 

Linha temática: História e Memória

Coordenador: Manuel Loff

 

Assumindo a plena integração no campo científico da História, dos estudos da Memória, da subjectividade e da intersubjectividade (Passerini, 1988), dos lieux de mémoire (Nora, 1984-92) e a forma como são socialmente determinadas – tanto a História como a Memória – , um dos denominadores comuns entre os investigadores são os estudos em torno da questão dos usos políticos da memória colectiva (Gallerano, 1995).

De igual modo, esta linha trabalha a história da violência e opressão exercida pelo Estado. A relação da sociedade com a maior ou menor visibilidade e impacto social da investigação que se centra nestes aspectos do passado, a sua articulação com os discursos memoriais presentes na esfera pública, as próprias públicas desenvolvidas pelos Estados pós-autoritários relativos àqueles fenómenos e períodos constituem elementos decisivos no reforço ou constrangimento do funcionamento dos regimes e das sociedades democráticas (Vinyes, 2009).

A História Oral é um dos instrumentos centrais, um campo de investigação a que se tem reconhecido, por fim, o estatuto de uma (sub)disciplina própria do campo historiográfico, imprescindível para convocar um conjunto de fontes históricas que um neo-positivismo antiquado menosprezou. Os investigadores desta linha privilegiam abordagens multidisciplinares, procurando pontos de convergência entre a História, a Sociologia e a Antropologia.

Objectivos

  • Proceder ao levantamento de arquivos orais da história do tempo recente, já constituídos ou em fase de constituição, em Portugal e nos países cujos contextos históricos sejam relevantes numa perspectiva comparativa (continente europeu em geral, Europa do Sul e Centro-Oriental em particular; América Latina; África lusófona). Um grande número de investigadores desta linha temática desenvolvem, eles próprios, trabalhos de recolha de fontes orais no âmbito de alguns destes arquivos e da gestão destes lugares.
  • Proceder ao levantamento de lugares de memória relativos a eventos, fenómenos e processos sociais e políticos (especialmente de repressão e de resistência) relativos aos períodos históricos da ditadura do Estado Novo (1926-74) e da Democracia (1974- ) em Portugal.
  • Promover a criação de uma rede de arquivos orais e de lugares da memória do tempo recente nos mesmos âmbitos regionais definidos no primeiro objectivo.
  • Propor formas flexíveis e dinâmicas de articulação entre centros de memória (arquivos orais e lugares de memória) portugueses e dos países dos âmbitos regionais mencionados no primeiro objectivo, designadamente através de colaboração com, entre outras, com o European Observatory On Memories (EUROM) da Universitat de Barcelona e da Fundació Solidaritat e a Coalición Internacional de Sitios de Conciencia.
  • Realizar encontros regulares tendencialmente em regime de rotatividade de organização pelos diferentes centros regionais em que estão sediados os membros da linha, sob a forma de seminários de investigação, de work in progress, e/ou colóquios abertos à comunidade de investigadores e ao público em geral, envolvendo o conjunto dos investigadores da linha mas convocando a participação de quantos, através de contactos consolidados e call for papers, sejam relevantes.
  • Apresentar candidaturas ao financiamento de projectos de investigação por parte de organismos portugueses (designadamente, a FCT), espanhóis (Plan Nacional de I+D+i), europeus (European Research Council) e brasileiros (CNPq e CAPES), envolvendo equipas consistentes e de dimensão e competências adequadas a cada candidatura. Por definição, estes projectos assumirão sempre a dimensão internacional e, consequentemente, comparativa que caracteriza a configuração da linha. No período 2015-20, as áreas temáticas prioritárias destas candidaturas deverão ser: (i) políticas públicas e lugares de memória: concepção, institucionalização, gestão, representatividade e impacto social; (ii) criação de um observatório (de âmbito nacional/internacional a ponderar, consoante a natureza do projecto candidatado e da instituição financiadora) das políticas públicas de memória, com vocação de investigação, consultoria e produção de conteúdos.
  • Promover a produção e publicação, designadamente online, de obras colectivas que reúnam os trabalhos de investigação que os membros da linha temática venham desenvolvendo.

CONTACTOS

Instituto de História Contemporânea Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade NOVA de Lisboa   //   Av. Berna, 26 C 1069-061 LISBOA   //   Tel.: +351 21 7908300 ext. 1545   //   Email: ihc@fcsh.unl.pt

HORÁRIO

2.ª a 6.ª feira 10.00h - 13.00h // 14.00h - 18.00h

Pesquisa

Share This
X