novembro , 2019

28novalldayO Mar nos Séculos XX-XXI e as "Migrações Proibidas"Conferência internacional(Todo o dia) Tipologia do Evento:Conferência

Fotografia do mar

Ver mais

Detalhes do Evento

Segunda edição da conferência dedicada ao tema das mobilidades humanas irregulares no espaço marítimo e no seu entorno portuário. Chamada aberta até 15 de Junho.

 

O Mar nos Séculos XX-XXI e as “Migrações Proibidas”

 

O Instituto de História Contemporânea organiza a segunda edição da conferência “O Mar nos Séculos XX-XXI”, dedicada ao tema das mobilidades humanas irregulares no espaço marítimo e no seu entorno portuário.

O mar é um espaço ambivalente: de conexões e de circulação de pessoas, coisas e ideias e, simultaneamente, de controlo e fronteira. Esta complexidade oferece a possibilidade de torná-lo uma realidade a ser estudada a partir de diferentes perspetivas, nomeadamente no que respeita ao domínio das migrações.

A travessia, quando não é fatal, representa para o indivíduo e para o coletivo em que se insere uma experiência inesquecível e marcante. A viagem, frequentemente atribulada, repleta de riscos e de incertezas, resulta em marcas físicas e psicológicas configuradoras do percurso do migrante e das suas memórias.

Além da perspetiva individual, os estudos sobre as redes migratórias têm destacado o papel central dos intermediários ou facilitadores da migração na manutenção de movimentos irregulares, realizados a contragosto do enquadramento legal dos estados. De entre os agentes mediadores, com um perfil socioprofissional diversificado, que participam no processo migratório informal conectando os pontos de saída, de trânsito e de chegada, importa-nos destacar nesta conferência um conjunto de intermediários ligados ao setor marítimo: desde tripulantes a armadores, a agentes policiais e funcionários do estado ou a associações, organizações internacionais, ONG ou a “sociedade civil” no geral.

Enquanto espaço geopolítico, o mar permite ainda criar e confrontar diferentes interesses individuais e coletivos, públicos e privados. Os riscos incontornáveis da viagem marítima clandestina exigem, por isso, uma concertação dos vários atores no sentido de determinar o enquadramento das travessias. Chegar a um acordo, porém, pode tornar-se difícil, uma vez que às prioridades humanitárias e de salvamento dos indivíduos em perigo de vida contrapõem-se as exigências da defesa da segurança nacional, tendo as fronteiras marítimas como espaço privilegiado de desenvolvimento deste controlo.

Finalmente, os espaços de operacionalização dos primeiros socorros e de acolhimento dos migrantes representam outro aspeto importante no enquadramento desta mobilidade. A diversidade de atores agindo em várias escalas marcam esta etapa, onde se desenvolvem e se constroem ações de intervenção de carácter humanitário e/ou policial/judicial, assim como infraestruturas de acolhimento a elas associadas. As casas de e/imigrantes, os serviços hospitalares, os centros de detenção ou campos de refugiados e as prisões, são alguns dos lugares criados a partir de diretivas nacionais e internacionais, com as suas próprias dinâmicas de enquadramento, onde é possível encontrar uma gestão diferenciada de acordo com o tipo de migrante.

No sentido de compreender como se conecta esta multiplicidade de atores presentes em diferentes períodos históricos e espaços geográficos, colocamos as seguintes questões:

De que forma se organizam as travessias de migrantes por mar? Como é vivida e concebida esta experiência pelos diferentes migrantes? Quem são os facilitadores da migração e como garantem o sustento das redes que assegurem as travessias? Que lógicas e práticas são seguidas no enquadramento oficial das travessias? Em que medida o reforço do controlo das fronteiras marítimas se adequa à realidade migratória? Que representações do Mar estão presentes nos vários atores que, afinal, dele assomam?

A relação do Mar com as Migrações representa um campo de estudo fértil pelos múltiplos cruzamentos temáticos e abordagens possíveis. Neste sentido, aceitam-se propostas, individuais ou de painéis coletivos, de diferentes disciplinas das Humanidades e das Ciências Sociais sobre os seguintes eixos temáticos ou conexos:

– Indústria da migração e facilitadores da migração irregular associados ao espaço marítimo;
– Redes migratórias ilegais/clandestinas;
– Migrações de mulheres e crianças;
– Travessias e narrativas de migrantes;
– Trauma e migrações;
– Políticas públicas nacionais de gestão dos migrantes;
– Governança internacional;
– Organizações não governamentais e humanitárias;
– Segurança e policiamento/cultura policial;
– Deportações e expulsões;
– Memória e Representação do mar e das migrações;

As propostas devem incluir o título da comunicação, um resumo (até 300 palavras) e uma nota biográfica (que inclua filiação institucional, grau académico e as cinco publicações mais recentes e/ou mais relevantes). Deverão ser enviadas para o seguinte email: seaxxcentury@gmail.com

 

📎  Chamada para trabalhos (PDF)

 

Calendário:

Admissão de propostas: até 15 de junho de 2019
Notificação de aceitação: até 30 de junho de 2019
Envio do programa provisório: 5 de julho de 2019
Envio de artigos: até 30 de outubro de 2019
Encerramento do programa: 15 de julho de 2019
Conferência: 28 e 29 de novembro de 2019

 

Inscrição:

Estudantes (obrigatoriamente até 31 de agosto de 2019) – 40 €
Outros participantes (obrigatoriamente até 31 de agosto de 2019) – 60 €

 

Línguas:

Português; Inglês

 

Organização:

Marta Silva (IHC – NOVA FCSH)
Yvette Santos (IHC – NOVA FCSH)

 

Publicação:

A Organização reserva-se a possibilidade de vir a realizar uma publicação, em moldes a definir.

 

Comité Científico:

Alice Cunha (NOVA FCSH)
Catherine Wihtol de Wenden (École de Science Po de Paris)
Francesca Esposito (Newton International Fellow, Centre for Criminology, University of Oxford)
Gabriele de Angelis (IFILNOVA)
Gabriella Sanchez (European University Institute)
Irial Glynn (Leiden University)
João Peixoto (ISEG – Universidade de Lisboa)
Kevin Brown (Alexander Fleming Laboratory Museum / Imperial College Healthcare NHS Trust)
Marta Silva (IHC – NOVA FCSH)
Paulo César Gonçalves (UNESP)
Riadh Ben Khalifa (Université de Tunis)
Sandro Mezzadra (Università di Bologna)
Yvette Santos (IHC – NOVA FCSH)

 

 

Imagem: HT SD (Wikimedia Commons)

Tempo

novembro 28 (Quinta-feira) - 29 (Sexta-feira)

Localização

Lisboa

Organizador

X